Sou autista, tenho direito ao meu próprio corpo.

Durante 1º Encontro Brasileiro de Pessoas Autistas – EBA, em 2016, o tema mais debatido e demandado pelos participantes foi “sexualidade e relacionamentos”. Jovens autistas falaram de paquera, namoro e da expectativa de construir família, mas também depoimentos relatando a repressão da sua sexualidade. Houve ainda muitos relatos de casos de abusos sexual. Daí surgiu a proposta da campanha “Sou autista, tenho direito ao meu próprio corpo“, que foi desenvolvida por pessoas autistas, do começo ao fim.

Leia o manifesto da Campanha

Participe!

A Abraça é um movimento associativo democrático feito por indivíduos e organizações que comungam e aceitam explicitamente os princípios dos Direitos Humanos e incidem politicamente para pleno exercício da cidadania das pessoas com autismo. Convidamos pessoas autistas, familiares e ativistas dos direitos humanos que partilham de nossos pensamentos a participar também.

Saiba como participar.

Manifestos da Abraça

A Abraça atua ativamente junto às instâncias de governo e à sociedade para que leis, políticas e práticas não violem os direitos humanos e favoreça inclusão das pessoas com autismo. Frequentemente, lançamos manifestos públicos sobre questões importantes afetas aos direitos das pessoas autistas e suas famílias.

Conheça nossos manifestos

Últimas postagens

AUTISMO E EDUCAÇÃO INCLUSIVA – QUESTÃO DE CIDADANIA

Abraça – Associação Brasileira para Ação por Direitos das Pessoas com Autismo 10 de dezembro de 2010 A Abraça – Associação Brasileira para Ação por Direitos das Pessoas com Autismo – vem expressar sua preocupação quanto ao tratamento recebido pelas pessoas diagnosticadas com algum transtorno global do desenvolvimento, chamadas aqui de pessoas autistas. Na nossa […]

Comédia sem graça

Jairo Marques comenta, em seu blog “Assim como você” comenta o programa “Comédia MTV” e seu quadro “Casa dos Autistas”. É ele quem diz: “eu que me acho bem humorado, fiquei pasmo, embasbacado com o vídeo do ‘Comédia MTV’. Quem não viu, talvez seja importante bater o olho clicando [aqui]” E continua: “Não convivo com […]