Autistar é Resistir!

Ser autista no Brasil tem sido um ato de resistência à negação de direitos, ao preconceito, à falta de apoio e aceitação. Nós, pessoas autistas, ainda não temos nossa voz reconhecida como sujeitos políticos plenos de direitos. Por conta disso, com o apoio de nossas famílias e redes de suporte, nós, pessoas autistas da Abraça, reivindicamos, através de nossa campanha de 2019, nosso direito de ser quem somos e de nos auto-representar.

Leia o manifesto da Campanha

Participe!

A Abraça é um movimento associativo democrático feito por indivíduos e organizações que comungam e aceitam explicitamente os princípios dos Direitos Humanos e incidem politicamente para pleno exercício da cidadania das pessoas com autismo. Convidamos pessoas autistas, familiares e ativistas dos direitos humanos que partilham de nossos pensamentos a participar também.

Saiba como participar.

Manifestos da Abraça

A Abraça atua ativamente junto às instâncias de governo e à sociedade para que leis, políticas e práticas não violem os direitos humanos e favoreça inclusão das pessoas com autismo. Frequentemente, lançamos manifestos públicos sobre questões importantes afetas aos direitos das pessoas autistas e suas famílias.

Conheça nossos manifestos

Últimas postagens

Greve dos caminhoneiros, deficiência e a falácia de uma vida independente | Opinião | Rita Louzeiro

Autora do texto: Rita Louzeiro é autista, ativista pela neurodiversidade e membro da ABRAÇA. Maio de 2018, uma greve nacional de caminhoneiros paralisa o Brasil. Em poucos dias, começa uma crise de desabastecimento. Gás de cozinha, produtos começam a faltar nas feiras e supermercados. Seguindo a lei da oferta e da procura, o mercado eleva […]

Beatriz Souza falando ao microfone em uma palestra

Autistas e a vida em comunidade | Opinião | Beatriz Souza

Neurodiversidade é a noção de que condições neurológicas diferentes do “padrão” são variações naturais, ou seja, são parte da diversidade humana. Elas não se devem a uma tragédia, um “desequilíbrio cerebral” ou a uma “limitação”. São apenas conexões neurais diferentes. Essa noção é importante, pois faz com que aceitemos as pessoas autistas como parte da […]