Autistar é Resistir!

Ser autista no Brasil tem sido um ato de resistência à negação de direitos, ao preconceito, à falta de apoio e aceitação. Nós, pessoas autistas, ainda não temos nossa voz reconhecida como sujeitos políticos plenos de direitos. Por conta disso, com o apoio de nossas famílias e redes de suporte, nós, pessoas autistas da Abraça, reivindicamos, através de nossa campanha de 2019, nosso direito de ser quem somos e de nos auto-representar.

Leia o manifesto da Campanha

Participe!

A Abraça é um movimento associativo democrático feito por indivíduos e organizações que comungam e aceitam explicitamente os princípios dos Direitos Humanos e incidem politicamente para pleno exercício da cidadania das pessoas com autismo. Convidamos pessoas autistas, familiares e ativistas dos direitos humanos que partilham de nossos pensamentos a participar também.

Saiba como participar.

Manifestos da Abraça

A Abraça atua ativamente junto às instâncias de governo e à sociedade para que leis, políticas e práticas não violem os direitos humanos e favoreça inclusão das pessoas com autismo. Frequentemente, lançamos manifestos públicos sobre questões importantes afetas aos direitos das pessoas autistas e suas famílias.

Conheça nossos manifestos

Últimas postagens

Autistas: destruindo o estigma da incapacidade de viver em sociedade | Opinião | Maristela Lugon

O velho estigma do autista como pessoa que não é capaz de viver em sociedade está sendo, aos poucos, destruído. A antiga figura do autista como ser isolado do mundo, incapaz de perceber os acontecimentos a seu redor vai perdendo força, dando lugar à pessoa com sensibilidade e percepções diferenciadas do considerado padrão de normalidade. […]

Adriana e Leon sorrindo. Em baixo, o símbolo da neurodiversidade e as palavras "18 de junho - dia do orgulho autista - #orgulhoautista"

Autistar é verbo | Opinião | Adriana Torres

Estamos em junho, mês de festa junina, ou seja, vai ter muita canjica, quentão, pé de moleque, pamonha, arroz doce, paçoca… Não em minha casa, porque detesto. Veja bem, adoro festa junina, mas pela festa, pelas bandeirinhas, a alegria das pessoas, não pela comida. Minha mãe chamava isso de chatice, mas após o diagnóstico de […]